G9-Eco: Inflação e desemprego no Brasil

Atividade didática On-Line realizada pelos alunos da Turma de Economia Monetária

 

“A relação desemprego e inflação é comumente explicada pela Curva de Phillips (CP), que descreve um efeito negativo entre as duas variáveis. Entretanto, pelos dados dos últimos anos, percebemos que o caso brasileiro não pode ser totalmente explicado por tal teoria.

A figura 1 apresenta a relação entre a inflação e o desemprego no Brasil a partir de 2012. Através dos dados, percebe-se que a relação negativa entre inflação e desemprego não esteve presente no período total abrangido pela série, mas ocorreu em alguns períodos, como entre Jul/12-Nov/12 e Fev/16-Mar/17. No entanto, a partir de Abril de 2017, as variáveis movimentam-se na mesma direção, com redução no nível de preços e na taxa de desemprego.

A CP desenvolvida inicialmente representava um gráfico de dispersão utilizando dados de salários nominais e taxa de desemprego. Em seguida, dados de inflação foram utilizados no lugar de salários nominais e a relação negativa apresentada entre inflação e desemprego se tornou conhecida como a curva de Phillips.

A figura 2 apresenta um gráfico de dispersão, relacionando a inflação com o desemprego com dados do Brasil a partir de 2012. Esse resultado é o mesmo encontrado por Mishkin para dados dos Estados Unidos a partir dos anos 1970, em que não se verifica relação clara entre essas variáveis.

A CP novo keynesiana é a mais utilizada atualmente em estudos sobre a inflação. Nesta versão da CP, os agentes possuem expectativas racionais e existem falhas de mercado que geram certa rigidez nominal. Assim, tem-se que a diminuição do desemprego aumenta o poder de barganha dos trabalhadores, que exigem salários nominais maiores, aumentando o custo de produção que são repassados aos preços. Neste caso, tem-se que o desemprego é negativamente relacionado com a inflação, sendo esta a CP de curto prazo.

No entanto, no longo prazo, o mercado de trabalho deve estar em equilíbrio, de modo que a relação negativa entre desemprego e inflação desaparece.

Sachsida, Ribeiro e Santos (2009) estimam três CPs: CPs para os estados do Rio de Janeiro e de de São Paulo e CP para o Brasil. Os autores usam dados trimestrais de 1995 a 2008 e levam em consideração a mudança de regime, para isso, utilizam um modelo de Markov-switching.

Como proxy para a inflação, utilizam o IPCA. Como proxy para o custo marginal da empresa, são utilizadas diversas variáveis de acordo com a disponibilidade dos dados em nível estadual e nacional, sendo elas: massa salarial, utilização da capacidade instalada da indústria, taxa de desemprego e hiato do produto.

Após o estudo, os autores encontram evidências de que os parâmetros não são lineares. Além disso, ao adotar um modelo de mudança de regime, a expectativa de inflação passa a ter um coeficiente maior do que a inflação passada, sendo o oposto do que se encontra nos estudos em que não há mudança de regime, o que indica que modelos lineares podem subestimar o efeito da expectativa de inflação. Constataram ainda que os resultados não são robustos a alterações nas proxies e especificações adotadas, de modo que a curva de Phillips não é uma boa explicação para a economia brasileira no período considerado.

Embora a CP ainda seja uma das mais importantes relações macroeconômicas, vários economistas, incluindo Larry Summers, da Universidade de Harvard, apontam que a relação se “quebrou”. Uma das teorias é que isso ocorreu devido à competição internacional, que dificulta o aumento do preço dos produtos e dos salários. Outra teoria é a de que os Bancos Centrais se tornaram mais críveis no controle dos preços, sendo eles menos sensíveis à ciclos econômicos. Independe do motivo, a CP atualmente não é considerada uma boa ferramenta para prever a inflação.

Referências”

https://goo.gl/zGozUR

http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1429.pdf

MISHKIN, Frederic. The
Economics of Money, Banking and Financial Markets
.
10th edition. Boston: AddisonWesley, 2009.

Autores: Grupo F

.

Anúncios

Milton Friedman: Segunda fase da Curva de Phillips e o Desemprego

.

Autores: Grupo 10 – REC2201-Macroeconomia 2017

 

A teoria de Friedman para o desemprego vem da contraposição da teoria de Phillips, em que o desemprego é uma relação inversamente proporcional à inflação. Tal relação se mostrou verdadeira até o início dos anos 70, quando um choque exógeno na OA introduziu um novo conceito, proposto por Friedman e considerada a segunda fase da Curva: a estagflação, uma relação em que existe desemprego e inflação ocorrendo no mesmo período no longo prazo. Porém, Friedman só chegou a sua teoria graças à um choque exógeno na economia americana.

Nos anos 70, o mundo se desenvolvia cada vez mais dependente do petróleo, como combustível e outros insumos derivados, e os EUA, por meio de suas grandes empresas dominavam o mercado petrolífero, determinando preços e seus participantes.

Com a criação da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), esse cenário mudou radicalmente, já que a organização tinha como principal objetivo a restrição da oferta de petróleo, de modo a manipular e ampliar o preço de tal produto para que os países membros tivessem um aumento de receita.

         O primeiro grande choque no preço do petróleo pôde ser notado entre meados de 1973 e 1974 onde os preços tiveram um aumento de até 4 vezes, como podemos ver na tabela a seguir:

         Nesse período nota-se nas economias ao redor do mundo o fenômeno denominado de estagflação, onde ao mesmo tempo ocorre uma diminuição da taxa de crescimento da produção (estagnação) e um aumento generalizado dos preços (inflação).

         Normalmente, períodos inflacionários ocorrem quando a demanda por bens e serviços da economia está maior do que a oferta, fazendo com haja um crescimento dos preços aliado a um crescimento do produto e consequentemente uma diminuição do desemprego, já que as firmas para conseguirem suprir a maior demanda contratam mais funcionários. Já a estagnação pode ser definida quando há um decréscimo na taxa de crescimento do produto de uma economia, que ocorre normalmente quando a oferta de bens e serviços se encontra acima da demanda, fazendo com que haja um aumento na taxa de desemprego e paralelamente uma diminuição do nível de preços.

         Por isso foi formulado o conceito de tradeoff entre inflação e desemprego, onde períodos de taxa de inflação alta são acompanhados de uma baixa taxa de desemprego ou vice-versa. Podemos analisar esse tradeoff no gráfico abaixo:

A teoria de Friedman pode ser considerada a segunda fase da curva, em que no longo prazo as expectativas ao nível de preços se adaptam, de modo que a ilusão monetária não exista no longo prazo, e os ajustes ocorrem lentamente. Friedman analisou tal efeito na crise do petróleo, em que o nível de preços se elevou dado o custo de produção maior, diminuindo assim a oferta de trabalho por parte dos trabalhadores, mas a inflação se mantinha em alta, e visando conter a inflação, os EUA recorreram à políticas restritivas que agravaram o desemprego.

É importante observamos no gráfico acima que durante os anos de 72-74, tanto o desemprego quanto a inflação tiveram um crescimento no curto prazo, e retornaram ao seu nível natural com o passar dos anos, a partir dessa relação temos a base para a teoria de Friedman, a chamada Taxa Natural de Desemprego e Crescimento:

– Taxa Natural de Desemprego: A chamada NAIRU (sigla para Non-Accelerating Inflation Rate of Unemployment, a taxa de desemprego não aceleradora da inflação), um taxa para qual a economia converge ao longo do tempo dado o ajuste das expectativas dos trabalhadores. Ocorre pela seguinte situação: Através de uma política governamental para movimentar a economia, vemos a ocorrência da hipótese normal da curva de Philips, inflação se elevando e uma queda do desemprego.

Com o aumento do nível geral de preços, dado o repasse dos maiores custos de produção, o trabalhador tem a percepção no longo prazo que o salário real não teve nenhum crescimento nessa relação, portanto decide ofertar menos trabalho, e da mesma forma renegociar maiores salários dado a inflação do período anterior, que logo é repassado aos preços novamente. Vemos que com a diminuição da produção, o produto começa a convergir ao seu ponto inicial, assim como o desemprego (firmas demandando menos trabalhadores) e a inflação sobe.

Em outras palavras, a determinação do desemprego por Friedman está diretamente relacionada com as expectativas adaptativas dos trabalhadores. A NAIRU simplesmente é uma crítica à sustentabilidade da curva de Philips, e para Friedman, esse taxa não pode ser reduzida com uma elevação da demanda agregada, e qualquer tentativa de redução resultaria em um processo inflacionário acelerado, portanto essa taxa pode ser definida como o desemprego remanescente após o pleno emprego.”

 

NASCIMENTO, Edson Fernando: Milton Friedman e a História do Pensamento Econômico Contemporâneo.

RIBEIRO, Fernando: Friedman, monetarismo e keynesianismo: um itinerário pela história do pensamento econômico em meados do século XX.

MAXIR, Henrique dos Santos: O mercado internacional de petróleo: a influência da OPEP e o poder de mercado.

ANDRADA, Alexandre Flávio Silva: Ensaios em história do pensamento Econômico.

https://www.thebalance.com/what-is-stagflation-3305964 (Acessado em: 10/06/2017)

https://pt.wikipedia.org/wiki/Organiza%C3%A7%C3%A3o_dos_Pa%C3%ADses_Exportadores_de_Petr%C3%B3leo (Acessado em: 10/06/2017)

https://fernandonogueiracosta.wordpress.com/2014/11/10/taxa-natural-de-crescimento-e-de-desemprego/ (Acessado em 03/06/2017)

 

.

J-Eco: Curva de Phillips

.

O tradeoff de curto prazo entre inflação e desemprego fora descrito na literatura por Philips, que investigou a relação entre a taxa de crescimento dos salários nominais e a taxa de desemprego entre os anos de 1861 e 1957 encontrando empiricamente uma correlação não-linear e negativa para estas variáveis.

j-eco-figura-1

Abaixo um dos gráficos do trabalho de W. Phillips, demonstrando a relação inversa:

j-eco-figura-2

Já em 1960, Samuelson e Solow aplicaram o modelo para os EUA, porém, substituíram a variação dos salários nominais pela taxa de inflação dos preços, encontrando novamente uma relação inversa, batizando a mesma de “Curva de phillips”, passando a ser fundamental na decisão de politicas macroeconômicas. A equação abaixo demonstra a chamada curva de Philips:

j-eco_figura-3

                A relação se mostrou verdadeira até meados de 70, quando houve os choques do petróleo, onde houve aumento do nível de preços sem qualquer razão relacionada ao desemprego.

                As mudanças na conjuntura internacional fizeram com que as críticas, já do final da década de 60, dos economistas Phelps e Friedman ganhassem notoriedade. Segundo eles, no longo prazo a economia tenderia a taxa natural de emprego, ou seja, se o governo utilizar uma expansão de base monetária, com o objetivo de ampliar o produto, e assim o emprego, ter-se-ia um aumento no nível de preços. Assim, verificamos   a curva de Phillips, todavia, o nível de emprego acima do natural gera um excesso de demanda por trabalho, e consequente aumento nos salários nominais. Como o mercado de trabalho é regido por contratos esta pressão não será sentida de forma imediata, quando os contratos forem renegociados haverá um aumento dos salários, reduzindo a demanda por trabalho. Assim, os preços aumentam, mas o produto e o emprego voltam a suas taxas naturais, ou seja, efeitos apenas no longo prazo. Portanto, a curva de Phillips passa a valer apenas no curto prazo. Incorporando assim as expectativas de inflação a curva de Phillips, temos a conhecida expectativas adaptativas:

j-eco_figura-4

Segundo o qual o agente aprende com os erros cometidos no passado, levando isso em conta na sua expectativa atual.

Por outro lado teremos as “expectativas racionais”, de Lucas e Sargent, onde os agentes fazem uso de todo o conjunto de informações disponíveis, assim, o valor esperado de uma variável coincide com seu valor real, a não ser quando há choques aleatórios:

j-eco_figura-5

Caso Brasileiro

No caso brasileiro, podemos observar uma forte perseguição pelo Banco Central em combater a inflação, assim enfrentando o trade off inflação e desemprego, no caso, temos um aumento acentuado no desemprego desde 2014, atingindo o ápice esse ano, quando chegou aos 11,8% da população brasileira:

j-eco_figura-6

Logo, segundo o modelo de Phillips, como consequências da alta de desemprego têm a expectativa de redução da inflação, como acompanhamos no relatório FOCUS apresentado pelo BACEN, onde a mediana do mercado aponta o fim do ano com uma inflação acumulada de 6,89%, mas vale destacar que esta expectativa caiu nas ultimas seis semanas, tendo uma tendência de continuar caindo.

j-eco_figura-7

 

 

 

https://www.bcb.gov.br/pec/GCI/PORT/readout/R20161021.pdf

http://www.ibge.gov.br/home/
http://nucleoeconomicooc.blogspot.com.br/2015/02/para-alem-do-trade-off-entre-inflacao-e.html

http://www.pet-economia.ufpr.br/banco_de_arquivos/00002_Rodrigo_cl_lima_e_silva_curva_de_philips_e_aplicacao.pdf

 

.

 

 

 

I-Ecec: Tradeoff de curto prazo: desemprego e inflação e o caso brasileiro

.

“Desenvolvida pelo economista William Phillips, a curva de Phillips descreve a relação negativa entre inflação e desemprego no curto prazo através da variação dos salários nominais, sendo estes substituídos posteriormente por inflação, que tem um papel mais central na macroeconomia. A análise de Friedman-Phelps da curva sugeriu que, no longo prazo, a economia alcançaria o nível de desemprego natural e, portanto, que o tradeoff entre inflação e desemprego existiria somente no curto prazo.

Com o choque do petróleo, houve a necessidade de adicionar à essa curva mais uma variável, o choque nos preços, , retratando mudanças na inflação que são independentes da contenção no mercado de trabalho ou expectativa de inflação, podendo ser descrita como:

i-ecec-curva-de-phillips

i-ecec-variaveis-curva-de-phillipsA partir da substituição de por , a inflação do período anterior, a curva de Phillips moderna com expectativas adaptativas pode ser descrita como:

i-ecec-img_1913

implicando que quanto mais os preços e salários forem flexíveis, mais responderão aos desvios do desemprego ao seu nível natural, tornando a curva de Phillips no curto prazo mais íngreme. Se salários e preços são completamente flexíveis, fica tão grande que a curva de Phillips de curto prazo torna-se idêntica à de longo prazo. Nesse caso, não há tradeoff de curto prazo ou longo prazo entre inflação e desemprego.

i-ecec-grafico

No Brasil, segundo a pesquisa “A Curva de Phillips e a experiência brasileira” de 2009 publicada pelo IPEA, nas últimas décadas foram realizados vários estudos sobre este tema englobando diferentes períodos de tempo. Os primeiros foram feitos a partir de dados do período de 1982 a 1998 e através de estimativas lineares entres as duas variáveis, que confirmaram a relação entre elas. Foram utilizados o Índice Nacional de Preços ao Consumidor para a inflação e dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) para a taxa de desemprego. Consecutivamente, foram feitos estudos com estatística mais sofisticada, com a adoção de outros intervalos de tempo, o uso de dados do IPCA para inflação, a adição de meta de inflação, a separação entre preços monitorados e não monitorados e a credibilidade da política monetária, entre outros.

A determinação deste tipo de relação apresenta dificuldades, como o conjunto de variáveis a se adotar como aproximação de expectativa de inflação e custo marginal da empresa. Isso faz com que cada estudo selecione diferentes variáveis, uma vez que ainda não há um método de escolha, que se soma, ao caso do Brasil, à precariedade e à instabilidade econômica que caracterizou o começo da década de 1990.

O trabalho do IPEA tinha o objetivo estimar uma curva de Phillips para a economia brasileira no período Janeiro de 1995 a Abril de 2008, usando dados dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro e Índice Nacional de Preços ao Consumidor para representar a variável inflação, que é o padrão para esse tipo de trabalho após a adoção do regime de metas de inflação. Adotou-se um modelo com mudanças de regime (Markov-switching) que possibilita a ocorrência de dois regimes distintos ao longo do período analisado. Com isso, foi possível incorporar uma relação não linear entre as variáveis estudadas, o que explicaria melhor períodos turbulentos do ponto de vista de séries econômicas. O resultado do estudo para o período foi de que a curva de Phillips tem pouca habilidade para representar a dinâmica inflacionária brasileira. O estudo apontou ainda que a estimação da curva de Phillips por métodos lineares seria viesada e ineficiente.

 

MISHKIN, Frederic. The Economics of Money, Banking and Financial Markets. 10th edition. Boston: AddisonWesley, 2009.

SACHSIDA, A; RIBEIRO, M; SANTO, C. TD 1429 – A Curva de Phillips e a Experiência Brasileira. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília, out. 2009.”

 

.

 

WILLIAM “BILL” PHILLIPS E CURVA DE PHILLIPS

.

“William “Bill” Phillips (1914-1975) foi um economista neozelandês que viveu na Inglaterra e ficou conhecido principalmente por duas obras: o computador MONIAC e a Curva de Phillips.

5-B Professor_A.W.H_(Bill)_Phillips (1)

Antes de estudar economia, Phillips frequentou uma faculdade de engenharia elétrica, na Austrália, e só foi ter contato com aquele assunto após o fim da Segunda Guerra, quando ingressou na London School of Economics, para estudar Sociologia.5-B Phillips_and_MONIAC_LSE

A partir daí, passou a se interessar por tópicos de macroeconomia e em 1949, utilizando também seu conhecimento em engenharia, criou o MONIAC, um computador analógico composto por reservatórios de água representados por agregados macroeconômicos (entre eles renda nacional, consumo, importações, exportações), tubos e comportas que usava conceitos de hidráulica para demonstrar como o dinheiro fluía em uma economia.

 

Mas sua principal contribuição para as ciências econômicas foi um estudo publicado em 1958 no artigo The Relation between Unemployment and the Rate of Change of Money Wage Rates in the United Kingdom, 1861-1957, no qual Phillips relacionava a inflação à taxa de desemprego de um país. Essa relação já havia sido feita pelo economista Irving Fischer (criador da Teoria Quantitativa da Moeda) em um estudo publicado em 1926 sob o nome de A Statistical Relation between Unemployment and Price Changes, mas foi de fato abordada com mais profundidade no artigo de Phillips.

Uma consideração é importante: o que chamamos de inflação é tratada no artigo de Phillips como a taxa de mudança dos salários nominais. A substituição foi feita por Samuelson e Solow, em 1960, quando aplicaram a relação da Curva de Phillips (esse nome foi dado pelos dois neste artigo) para os Estados Unidos.  

EXPLICANDO A RELAÇÃO ENTRE INFLAÇÃO E TAXA DE DESEMPREGO

Para chegar na conclusão de que inflação e taxa de desemprego relacionavam-se inversamente, além de observar o diagrama de dispersão que desenvolveu, Phillips baseou-se no princípio de que os trabalhadores sofriam de ilusão monetária, ou seja, levavam em conta a variação do salário nominal em detrimento do real. Assim, relacionou a variação dos salários nominais ao excesso de oferta de trabalho em uma economia. De forma simples, este trade-off entre inflação (π) e desemprego (u) é evidenciado no gráfico abaixo e, ao lado, no diagrama publicado no artigo original: 5-B Grafico 15-B grafico 2

 

 

 

 

 

 

Contudo, a relação sugerida por Phillips foi limitada por alguns economistas. Em 1968, Milton Friedman, em seu artigo The Role of Monetary Policy (pág.11), defendeu que a Curva de Phillips, tal qual havia sido proposta, valia apenas para o curto prazo, ou seja, o trade-off inflação-desemprego existia somente temporariamente. No longo prazo, esses economistas argumentaram que  o gráfico da Curva de Phillips, ou NAIRU (Non-accelerating Inflation Rate of Unemployment),  seria uma reta vertical, sugerindo que a inflação não mais teria efeito sobre o desemprego e este caminharia para sua taxa natural. Abaixo, segue o gráfico da NAIRU:

5-B Grafico 3

Modernamente, a corrente principal das ciências econômicas reconhece a importância histórica da Curva de Phillips, e como sua principal contribuição para a macroeconomia. Contribuiu com o debate acerca da ilusão monetária, expectativas adaptativas e expectativas racionais, estagflação, e influenciou as políticas macroeconômicas nas décadas seguintes, tendo ainda hoje influência, ainda que menor, de maneira adaptada. Influenciou economistas como Paul Samuelson e Robert Solow, como no artigo que publicaram em 1960, Analytical Aspects of Anti-Inflation Policy (pág. 188), no qual repetem o experimento de Phillips utilizando a base de dados dos Estados Unidos.  No livro Introdução à Economia, de N. Gregory Mankiw, o trade-off explicitado pela Curva de Phillips é considerado como um dos 10 Princípios da Economia.”

 

Autores: GRUPO E – Macro I

 

.

%d blogueiros gostam disto: