Qual é o seu estilo de aprendiz?

 

Pensar sobre esse tema e  tentar responder a essa pergunta é sempre bastante útil, já que a vida é um aprendizado constante,  mais útil  ainda quando as provas intermediárias estão para começar e o tempo parece não ser suficiente para se preparar bem (não parece, mas é – veja este post sobre método de estudo).

Há estudantes que aprendem melhor de forma sequencial, indo do particular para o geral, já outros compreendem melhor um tema quando têm uma visão mais global sobre ele, e depois exploram os detalhes particulares; também há diferenças entre a apreensão de conteúdos visualmente, associada a memórias visuais, e para estes estudantes, mapas conceituais, diagramas, fluxogramas, etc, ajudam muito no seu processo de aprendizagem; outros são mais verbais e aprendem melhor lendo e ouvindo. Uns, mais ativos, outros, reflexivos; ou ainda mais sensitivos, preferindo fatos, métodos bem estabelecidos a possibilidades e formulações matemáticas, por exemplos.

Para saber mais sobre os estilos de aprendizagem, consultem a fonte que utilizei nesse breve resumo:

LEARNING STYLES AND STRATEGIES dos professores Felder e Soloman, que produziram um indicador de estilo de aprendizagem a partir de um questionário com 44 itens, como um teste para classificar seu estilo dentro das quatro dimensões que citei.

Para fazer o teste: http://www.engr.ncsu.edu/learningstyles/ilsweb.html

Reporto aqui as observações que os próprios autores fazem, na página de apresentação do índice:

  1. The ILS results provide an indication of an individual’s learning preferences and an even better indication of the preference profile of a group of students (e.g. a class), but they should not be over-interpreted. If someone does not agree with the ILS assessment of his or her preferences, trust that individual’s judgment over the instrument results.
  2. A student’s learning style profile provides an indication of possible strengths and possible tendencies or habits that might lead to difficulty in academic settings. The profile does not reflect a student’s suitability or unsuitability for a particular subject, discipline, or profession. Labeling students in this way is at best misleading, and can be destructive if the student uses the label as justification for a major shift in curriculum or career goals. (A learning style preference also does not serve as an excuse for a bad grade on the student’s last physics test.)

Mas garanto que é, no mínimo, divertido!!

Eis aqui o meu resultado:

Learning Styles Scales – Roseli

.

Anúncios

Que tal prestar atenção no seu método de estudo?

.

Isso pode resolver todos os seus problemas com “aquele professor que insiste em te reprovar”!! 😉

Para os estudantes interessados em aprender (e quando isso acontece, naturalmente vc é aprovado em seus exames acadêmicos!) prestar atenção em como você estuda pode poupar muito tempo e esforços, além de propiciar melhores resultados gerais – inclusive elevando aquela medida que tanto te interessa, a nota!

Em um post anterior, tratei do assunto com foco em disciplinas quantitativas aplicadas à economia (veja aqui), mas as dicas que quero deixar agora são gerais, baseiam-se nos avanços da neurociência que desvendam alguns mecanismos de funcionamento do cérebro e ajudam, e muito, a estudar e aprender de forma eficiente. Elas foram sintetizadas com muito bom humor nesses quadrinhos:

Uma longa noite aprendendo

Para quem quer ir direto à fonte, recomendo que aproveitem a excelente plataforma de ensino online Coursera e façam o curso:

Learning How to Learn: Powerful mental tools to help you master tough subjects

Eu estou participando da atual edição e tenho achado bem divertido e interessante!

Outra alternativa é ler o livro:

A Mind For Numbers: How to Excel at Math and Science (Even If You Flunked Algebra)

Barbara Oakley

A autora é a professora responsável pelo curso no Coursera, em termos de conteúdo curso e livro são quase substitutos!

Se o seu interesse for ir um pouco mais além e compreender de maneira mais profunda os efeitos da neurociência sobre a teoria de tomada de decisão, sugiro uma aproximação às teorias desenvolvidas por Kahneman e Tversky, e sintetizadas para o grande público no livro Rápido e Devagar: duas formas de pensar (Kahneman, 2012). Esse livro fez parte de uma atividade didática com uma turma de Finanças, em que os alunos produziram resumos publicados aqui e apresentados em sala de aula:

Rápido e Devagar – Atividade de Finanças Parte 1

Rápido e Devagar – Atividade de Finanças Parte 2

Rápido e Devagar – Atividade de Finanças Parte 3

Rápido e Devagar – Atividade de Finanças Parte 4 (Faltou essa parte!)

Rápido e Devagar – Atividade de Finanças Parte 5

É isso!

.

Para os iniciantes em R, como eu!

 

Em minhas primeiras incursões ao aprendizado de R, tenho tentado me motivar a encampar o custo de entrada, e aqui compartilho alguns textos que estão em ajudando e podem ser úteis para outros novatos!

Aqui, 5 boas razões para usar R:

Econometrics by Simulation: Why use R? Five reasons..

E aqui, um texto que sintetiza aplicações a minha principal área de interesse: econometria de séries temporais (TSAR). Esclareceu muitas dúvidas que eu tinha sobre o poder das ferramentas disponíveis para área e também me alertou sobre a qualidade das bibliotecas disponíveis no CRAN, indicando a preferência por bibliotecas usadas em livros textos ou artigos publicados, já atestadas por pares em sua qualidade não só com uso da linguagem, mas também como ferramenta de análise eficiente. Ele também fala sobre usar Sweave  (“R supports high-quality technical typesetting and reproducible research including reproducible applied statistical and econometric analysis” e diz que escreveu o artigo usando isso e scripts de R. Alguém já usou? Ai, ai, ai… agora que me acostumei com LyX!!

 

 

 

 

 

Experimentando Coursera

 

Finalmente resolvi conferir a indicação de alguns colegas e me inscrevi em alguns cursos oferecidos pela plataforma Coursera – uma plataforma educacional  que oferece cursos online gratuitos em parceria com universidades de renome internacional. Dois motivos principais me levaram a encarar esse desafio: 1) aprender metodologias e técnicas de ensino a distância eficientes (espero); 2) conhecer um pouco mais sobre assuntos de meu interesse e sobre softwares que ainda não domino.

Para atender ao primeiro objetivo, matriculei-me no curso Introduction to Computational Finance and Financial Econometrics oferecido por Eric Zivot, pesquisador e professor da Universidade de Washington. É sempre bom saber como outro professor ensina um conteúdo que nós mesmos ensinamos. Além disso, nesse curso, já será necessário algum aprendizado sobre o software R, outra atividade a que quero me dicar nesse semestre. Já estamos na terceira semana, de um total de 10, e tenho gostado bastante tanto das aulas quanto das atividades que os alunos precisam realizar.

É exatamente voltado para o aprendizado de R, o segundo curso em que me matriculei: Linguagem R, que se iniciará em 2 meses. Como se não bastasse, meu interesse em aplicações de neurociência à economia também encontrou uma oferta no Coursera: Introdução à Neuroeconomia: Como o cérebro toma decisões; esse mais já perto das férias, começando em 3 meses.

A estrutura dos cursos é baseada em vídeo-aulas, fóruns de discussão e atividades de avaliação semanais, que parecem funcionar bem. As vídeo-aulas, quando assistidas pelo site, permitem recursos como legendas em algumas línguas (raramente em português) e a opção entre acompanhar os slides ou a imagem do professor na tela principal, com a segunda opção numa tela menor ao canto direito.

Umas das coisas que me chamou a atenção logo de cara foi o  código de conduta de estudantes, e que a cada atividade de avaliação que fazemos nos é recordado:

  1. Me comprometo em criar apenas uma conta.
  2. As respostas para meus trabalhos, testes ou provas serão elaboradas por mim mesmo (com exceção daqueles que expressamente permitam trabalho em grupo).
  3. Eu me comprometo a não disponibilizar a ninguém as respostas para meus trabalhos, testes ou provas. Isso inclui minhas respostas ou as respostas fornecidas pelos organizadores do curso.
  4. Afirmo que não participarei de quaisquer outras atividades que irão, de forma desonesta, melhorar meus resultados ou melhorar / prejudicar os resultados dos outros.

Ou seja: “Não Colarás”; tudo que eu gostaria que meus próprios alunos fizessem!!

.

Desafio CFA-IRC de avaliação de empresas

 

Este ano, assim como no anterior, acompanho, como orientadora acadêmica, o time da Fearp que participa do Chartered Financial Analyst Institute Research Challenge (CFA-IRC) 2013-2014. A primeira etapa do trabalho foi cumprida: o time já produziu o relatório de avaliação da empresa selecionada e aguarda a classificação dos avaliadores – caso esteja entre os quatro primeiros (há 13 instituições de ensino brasileiras participantes), seguirá para a etapa de apresentação do relatório em que o vencedor brasileiro será escolhido. Há ainda mais uma etapa regional para as Américas, em março próximo, nos Estados Unidos, e a final ocorrerá ainda no primeiro semestre de 2014 na Tailândia.

O time Fearp foi selecionado pelo Clube de Mercado Financeiro, entidade estudantil da casa, que também dá o maior apoio para os trabalhos do grupo!!

É claro que queremos estar entre os finalistas, porém os frutos mais importantes para a equipe, e também para mim, já foram colhidos: um intenso processo de aprendizado, que valeu muito para todos, tenho certeza!! Disciplinas como teoria de finanças, econometria, análise de demonstrações financeiras, macroeconomia, organização industrial, entre outras, foram integradas e seu conhecimento aprofundado pela necessidade prática de avaliar uma empresa real de capital aberto. O mentor do time, atribuído pelo CFA Brasil, um analista certificado atuante no mercado, também teve uma contribuição primordial para esse processo!

Quero, por isso, já parabenizar o time composto por Gabriel, Lucas e José Guilherme (do curso de Economia e Controladoria) e Pedro e Filipe (do curso de Economia) pela dedicação, garra e seriedade com que realizaram o trabalho: foi um belo trabalho em equipe!!

.

Desafio de avaliação de empresas

 

Acabamos de ter na FEA-RP uma palestra muito importante sobre o CFA Institute Research Challenge, gentilmente oferecida pela Sr. Sonia Villalobos – a primeira pessoa a receber a designação CFA na América Latina, em 1994, atualmente sócia-fundadora da Lanin Partners LLC e membro do CFA Society Brazil.

Sonia explicou à platéia o papel desempenhado pelo CFA Institute para o estabelecimento de padrões de excelência profissional na indústria de investimento, por meio, principalmente, do CFA Program em seus 50 anos de existência.

O objetivo de trazermos Sonia para a FEA-RP, além de aprender um pouco a partir de sua vasta experiência profissional, foi motivar os alunos a participarem do processo seletivo interno para a formação do grupo que participará no CFA Institute Research Challenge 2014, uma competição global de avaliação de empresas de capital aberto em que os estudantes têm uma excepcional oportunidade de aprendizagem, aproveitando o contato direto com um CFA Mentor designado para auxiliá-los com a parte prática da avaliação. Ano passado fui Adviser do time e novamente neste ano estarei no suporte acadêmico e espero que consigamos formar um time dedicado e competitivo! Para participar do processo seletivo, acompanhe as instruções do Clube de Mercados Financeiros, que sempre promove a participação da FEA-RP nesse evento e é responsável pelo processo seletivo.

Participem!!

.

Rápido e Devagar – Atividade de Finanças Parte 1

 

Começamos hoje a atividade de leitura e discussão com a turma de Finanças, postando a resenha do Grupo 1 para a primeira parte do livro “Rápido e Devagar” de Daniel Kahneman – (recomendo a leitura). O texto postado em itálico e entre aspas é de autoria do grupo e está postado tal qual me foi enviado. Espero que a leitura desse livro ajude os estudantes a compreender para o que serve e, principalmente, para o que NÃO serve a chamada “moderna teoria de finanças” que estudamos a cada aula do semestre!! Deixem seus comentários, participem!!

Resenha e breve resumo da parte 1 do livro Rápido e Devagar, do psicólogo ganhador do Nobel de economia Daniel Kahneman.

De forma intuitiva e muito bem exemplificada, o autor explica conceitos da psicologia, que fazem o leitor se assustar ao se moldar com acontecimentos que, à primeira vista, parecem absurdos.

A parte 1 do livro tem primeiramente a função de apresentar os conceitos utilizados na pesquisa do autor, ricamente ilustrado por exemplos de experiências conduzidas nas mais diversas universidades de psicologia do mundo, e com resultados surpreendentes.

O ponto crucial dessa primeira parte, e que inspirou o título, é a separação do pensamento humano em dois Sistemas, 1 e 2, sendo este o sistema lento, lógico e racional, enquanto aquele é o sistema rápido, impulsivo e associativo. Através de uma série de experimentos o autor busca demonstrar ao leitor que boa parte de nossas decisões são pautadas pelo Sistema 1, não apenas decisões típicas deste sistema (como efetuar uma atividade de rotina), mas também atividades que demandam esforço mental, mas que são respondidas de forma rápida pelo Sistema 1 com a aprovação do Sistema 2.

Este fato é só uma demonstração do que o autor definiu como a lei do mínimo esforço, ou seja, o Sistema 2 procura sempre poupar o máximo de recursos possíveis, o que pode levar, muitas vezes, a decisões erradas ou viesadas por impulsos e associações do Sistema 1. De forma a validar sua informação, o autor ainda expões experiências que demonstram o alto consumo energético do organismo por parte do trabalho mental e também da capacidade de funcionamento da mente, com mostras do que seria uma “carga máxima de pensamento” para cada indivíduo, impedindo que muitas tarefas sejam feitas simultaneamente.

Pensando neste conceito ainda, o autor expõe o conceito de fluxo, uma situação na qual o indivíduo, mesmo precisando destinar uma grande atividade mental para determinada atividade, consegue ainda ter recursos disponíveis, demorando mais para apresentar fadiga, especialmente quando se desenvolve atividades para as quais fomos treinados ou que temos prazer em fazer, que muitas vezes são associadas ao Sistema 1 devido a sua prática.

Após estas exposições, o autor define o conceito de conforto cognitivo como sendo um estado onde o Sistema 2 funciona de forma mais simples, sem tanto esforço. Pelo motivo de preguiça mental já exposto no livro, os experimentos levam a crer que as pessoas tendem a validar informações usando menor número de critérios se estas estiverem dentro da sua zona de conforto. O autor aproveita para dar algumas aulas sobre como escrever um texto convincente, lançando mão de recursos simples, como usar um vocabulário simples, um texto bonito e de fácil leitura, citação de fontes familiares aos leitores, enfim, tudo aquilo que faça o Sistema 2, já trabalhado pelo Sistema 1, a se sentir mais confortável, o que levará os leitores a se tornarem propensos a aceitar suas ideias (o contrário também é válido, ou seja, um texto desbotado, por exemplo, leva os leitores a destinarem maiores recursos na validação das informações).

Dentro deste contexto, o autor ainda busca a relação entre o humor de cada um e a forma de agir, busca também demonstrar fatos curiosos que acontecem pela simples exposição de indivíduos a estímulos, muitas vezes criando a sensação de familiaridade necessária para estimular confiança e ressaltar uma resposta positiva da mente (conforme citado anteriormente, a mente adora ficar em seu estado de conforto).

Relacionando o humor com a fadiga, o autor realiza testes verificando um maior cansaço dos indivíduos quando estimulados pelo Sistema 1 a, até mesmo, feições “desagradáveis”, causando um efeito causal no Sistema 2.

Após toda essa apresentação sobre as características e comportamentos básicos dos Sistemas 1 e 2, com foco maior para o Sistema 1, o autor se aprofunda nas ações do Sistema 1, descrevendo como este consegue gerar um modelo de normalidade, aceito inclusive pelo Sistema 2, com regras e padrões que, quando alterados, geram surpresa e inquietação da mente, sendo rapidamente percebido. Também demonstra como o Sistema 1 tende a trabalhar de forma a verificar sempre a causa e a intenção de uma ação, levando a mente a tirar conclusões baseadas em associações simples, influenciadas pelo cotidiano de cada indivíduo e pela história de vida e também por sua racionalidade, sendo que pessoas mais racionais conseguem controlar melhor seus estímulos imediatistas do Sistema 1, ou seja, são mais céticos e mais utilizadores do Sistema 2.

Dentro do Sistema 2, considera, a partir dos resultados apresentados, distinguir o maior uso desse sistema em racionalidade e inteligência, sendo que o maior uso de um não implica necessariamente na efetividade do outro.

O autor destaca ainda que o nosso Sistema 1 é propenso a chegar a conclusões precipitadas, pois quando se depara com uma ambiguidade, o Sistema 1 rapidamente relaciona com o contexto e, na falta desse, com uma relação cotidiana da pessoa, de forma a criar uma história plausível, tudo de forma instantânea e imperceptível. Além disso, o Sistema 1 ainda vai considerar apenas a informação disponível, ou seja, informações faltantes, ainda que relevantes, serão substituídas por associações. Essa forma de agir leva a algumas características do Sistema 1, como uma forte tendência a confirmação e a credulidade, o efeito Halo, que é, em síntese, o viés causado por um estímulo anterior, como achar uma pessoa atraente e acreditar no que ela diz, sem ter maiores conhecimentos sobre o indivíduo, uma tendência a superconfiança quando se exprime uma opinião, mesmo que pautada em argumentos pobres, e variação nas avaliações de acordo com a forma e a ordem com que as informações são apresentadas.

O Penúltimo capítulo da parte 1 deste livro fala sobre julgamentos, e começa demonstrando uma experiência que comprovou que os resultados das eleições sofrem influência devido a aparência do candidato, correlacionando o fato de como o Sistema 1 qualifica as pessoas apenas por sinais simples, como o formato do rosto e a forma como sorri, o que o autor definiu como “avaliação básica”. Mais três explicações foram feitas: a facilidade do Sistema 1 em trabalhar com médias, porém sua notável dificuldade em operar somas ou multiplicações; a facilidade com que o Sistema 1 com comparar diferentes fatos, em diferentes escalas (como a gravidade de um crime com tons de cor); e o que o autor chamou de “bacamarte mental”, uma metáfora com uma arma antiga, cuja ponta do cano era em formato de sino e sua munição eram várias bolas de metal colocadas diretamente no fundo do cano sobre a pólvora, o que gerava um efeito de espalhamento no tiro, ao invés da mira precisa, alusão ao fato do Sistema 1, em vista de uma fato qualquer, desencadeia uma sequência de cálculos e associações.

Por fim, o autor mostra como o Sistema 1 faz substituições de perguntas difíceis ou sem resposta, para perguntas simples, cuja resposta ele dá seguindo as características que já foram expostas, e ele mostra exemplos de como o humor afeta a percepção de felicidade, o afeto influenciando ações (se gosto, tendo a validar qualquer argumento a favor).

Enfim, a primeira parte do livro traz de forma muito bem ilustrada por exemplos, alguns muito surpreendentes, sobre como nossa mente funciona. Várias características foram atribuídas ao Sistema 1 e ao Sistema 2, e também um descritivo da forma de agir do Sistema 1. Sem se aprofundar muito, já se pode notar que essa pesquisa da área de psicologia explica muitos fatores que a teoria econômica ignora, pois as pessoas não são totalmente racionais, ou pelo menos a que utilizam “mais” seu Sistema 1, e funcionam com um pensamento viesado, associativo e dogmático em grande parte do tempo.”

Grupo 1

 

%d blogueiros gostam disto: