Grandes Números das Contas Nacionais Recentes

.

“O Sistema de Contas Nacionais surgiu com a tentativa de se investigar o funcionamento dos componentes da economia de forma agregada, suas relações e a lógica do sistema econômico como um todo. Após a situação enfrentada pela economia mundial na década de 1930, depois do colapso de 1929 e o desemprego e recessão dele resultante, o debate econômico passou a dar mais atenção à importância de se medir as transações econômicas de maneira agregada.

2-M-fig0A origem do Sistema de Contas Nacionais remete ao ano de 1947 quando um comitê de especialistas da Liga das Nações liderado pelo economista Richard Stone propôs a sistematização das contas nacionais, em 1953 a ONU publica outro informe com recomendações para a compilação de sistemas de contas nacionais afim de unificar os sistemas de contas utilizados nos países.

O Caso Brasileiro

Nossa estrutura de contas nacionais congrega cinco contas importantes: Conta de Produção, Conta de Apropriação, Conta de Capital (chamada também de Acumulação), Conta do Setor Externo (também chamada de Transações Correntes com o Resto do Mundo) e Conta do Governo. Entre elas, a conta de produção é a mais importante e é por causa dela que as demais existem, na conta de produção é contabilizado o PIB a preços de mercado.

Conta de Produção

2-M-fig1.Conta de Produção A conta de produção apresenta do lado do débito (esquerdo) a remuneração do fator trabalho realizado pelas empresas na forma de salários, juros e aluguéis. Já o lado do crédito (direito) apresenta o que as empresas receberam daqueles que consumiram seus bens e serviços produzidos, representando a despesa bruta que em números é equivalente ao PIB.  Como se percebe do lado do crédito a rubrica “Importações bens/serviços não fatores” está negativa, sendo

C = Consumo Final da Famílias,

G = Consumo Final das APUs

I = FBCF + Variação de Estoques

X = Exportação

-M = Importações

Assim temos, Y = C + I + G + (X-M).

Nos gráficos abaixo podemos analisar a evolução do consumo das famílias, governo e a evolução do PIB

2-M-graf1

 

2-M-graf2

 Conta de Apropriação

2-M-fig2.Conta de ApropriaçãoOs principais agentes desta conta são as famílias (ou indivíduos), são eles que se apropriam e alocam a renda gerada na economia da forma que lhes convém. No quadro 02 podemos ver como se dá a aplicação das remunerações, neste caso elas tomam dois caminhos diferentes como podemos consumo e poupança.

Conta do Setor Externo

É nesta conta que são registradas as transações financeiras de um país com o resto do mundo. Do lado esquerdo (débito) se contabiliza o gasto de não residentes com bens, serviços e ativos adquiridos no nosso país (exportações) e também as rendas recebidas do setor externo. Já do lado do crédito (lado direito) ficam contabilizados os bens, serviços e ativos adquiridos no exterior (importações) como também as rendas de residentes enviadas ao exterior.2-M-fig3.Conta de Transações Correntes

Segue uma breve análise sobre as transações correntes do Brasil com o exterior. Podemos observar pelo gráfico que a partir do ano de 2007 o país vem apresentado um saldo negativo em suas transações correntes. Em 2014 o saldo negativo chega ao maior nível de todos, com déficit de $ 104,2 bilhões.


2-M-graf3

 

Conta de Capital

2-M-fig4.Conta de Acumulação Do lado do débito tem-se a formação bruta de capital fixo (ou investimento bruto) e a variação dos estoques. Na Formação Bruta de Capital Fixo é contabilizado aqueles bens que são utilizados para produzir outros, são em geral máquinas, equipamentos e instalações industrais. Sua análise nos permite avaliar se a capacidade de produção de um país está crescendo ou diminuindo.

 

No gráfico abaixo temos uma evolução recente da FBCF em volume e variação percentual

2-M-graf4

Conta do Governo

 2-M-fig5.Conta Corrente Adm PublicaA conta do governo é muito semelhante à conta de apropriação. Da mesma forma que esta busca mostrar o destino que as famílias dão às rendas que recebem por serem proprietárias dos fatores de produção, a conta do governo procura evidenciar:  qual foi o valor da receita total do governo num determinado período de tempo; e como o governo a alocou.”

 

 

 

Autores: GRUPO M – Macro I

 

.

27 Respostas to “Grandes Números das Contas Nacionais Recentes”

  1. Ruan Cursino Thomé Says:

    Olá grupo “M”, achei o texto muito interessante, sem sombra de dúvidas muito explicativo para as pessoas leigas no assunto, porém eu tenho uma pequena dúvida: no segundo parágrafo fala-se que o grupo de economistas que tomou frente no processo de padronização das contas nacionais em 1947 veio da Liga das Nações. A minha pergunta é: eles eram mesmo da Liga das Nações? Até onde eu sei a última sessão da Liga ocorreu em abril de 1946.

  2. Armando H. Z. M. de Barros Says:

    Interessante como a economia pode ser representada de diversas maneiras. Aqui vemos uma análise geral contábil, apenas um de vários outros modos que a macroeconomia pode ser representada. Em sala de aula, por exemplo usufruímos de mecânicas matemáticas muito diferentes, também buscando conclusões diferentes, através de equações, generalizações, suposições, equilíbrios econômicos, diversos gráficos que se relacionam entre si, etc.
    Na contabilidade, temos uma noção quantitativa melhor, visto que os gastos e ganhos da economia são demonstrados detalhadamente, em várias divisões e subdivisões, deixando claros o destino e a origem de recursos, medidos monetariamente (apenas imagino a dificuldade que contadores enfrentam ao mensurar valores dessa maneira, visto que muitos tem caráter subjetivo!).
    Acredito que houve uma carência ao contextualizar a situação brasileira. Há muitos dados apenas informativos, sem uma explicação aparente. Me pergunto o que houve entre 2008 e 2009 que causou uma queda nas transações correntes, por exemplo.

    • Lucas Kava Says:

      Armando, sobre o déficit das transações correntes em 2008, tem uma discussão interessante sobre a ótica da época sobre esse efeito, no site do Ipea: “http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&id=2237:catid=28&Itemid=23” No texto eles se preocupam com o risco de uma crise cambial devido este déficit, lembrando da liquidez do dólar e da especulação. Eu não sei ao certo, porque eu não sou capaz de pegar dados e analisa-los – eu não tenho embasamento teórico (ainda!) para entendê-los – mas acho que a desvalorização do dólar tenha influência no déficit, porque se o dólar fica barato, estimula as importações. Agora o dólar subiu desde 2014~2015 e o déficit das transações correntes tem caído.

  3. Bruno Boalin Says:

    “…, na conta de produção é contabilizado o PIB a preços de mercado.”
    Apesar de estar logo no começo do texto, acredito ser uma passagem extremamente importante para a analise das estatísticas apresentadas, pois não podemos esquecer que, a inflação, pode alterar esses dados e não necessariamente ocorrer um aumento real e significativo de produção. Devido a isto, acredito que uma breve explicação com exemplos transformariam e conduziriam o leitor a um questionamento maior sobre os dados do que a forma de texto expositivo.
    Ainda nessa linha, apesar do diagnóstico recente estar mais centrado e objetivo sobre o panorama à aceleração do crescimento, acredito ser uma boa uma simples citação sobre como essas mudanças afetam o bem-estar da população em si (isso SE alteram ou ficam apenas concentradas kkk).
    Gostaria de parabenizar todos os integrantes do grupo, achei o texto bem estruturado, muito direto e explicativo!

  4. cezio Says:

    É interessante notar a conexão da realidade e os conceitos abordados em aula.Temas como a importância da agregação e o papel dos agentes na economia ficam bem caracterizados na exposição do texto e principalmente dos gráficos. Além disso fica evidente a importância nas economias modernas do sistema de contas nacionais uma vez que se torna um valioso instrumento de fornecimento de dados para a orientação das decisões do formuladores de políticas nacionais. Parabéns ao grupo!!!

  5. Luciano Rosa Says:

    O Sistema de Contas Nacionais tem uma função importante na economia: “monitorar” a alocação dos recursos. Como uma espécie de demonstrativo, o SCN nos ajuda (principalmente ao Governo) a direcionar as metas de consumo, inflação e nível de investimento, podendo comparar os resultados com os anos anteriores e fazer previsões para os próximos anos. Além disso, conhecido o verdadeiro montante gasto pelo governo, torna-se mais fácil controlar os déficits. Acredito que o grupo explicou de maneira didática o assunto, entretanto, nos demonstrativos sobre a economia brasileira, as explicações sobre as mudanças no nível de investimento, influência do câmbio no superavit/déficit em transações correntes entre outras seria interessante, de modo a não deixar apenas a questão matemática e sim interpretar as ações dos agentes.

  6. Caio Borges Donegá Says:

    Interessante analisar que o Sistema de Contas Nacionais possui um papel contábil que ajuda a entender o processo e as relações lógicas do sistema macroeconômico como todo, servindo também como um instrumento de controle para a produção de maneira agregada. Acho que o grupo foi bem muito bem em seu trabalho, porém, acho que seria muito importante citar os vários tipos de produto que existem em uma economia (PNB, PIL, PNL, …) pois, pelo menos para mim, entender as diferenças entre os produtos e o cada um deles representa foi muito importante para quebrar o censo comum de que só existe PIB, começando a construir assim um pensamento com um caráter mais econômico.

  7. Igor Soares Says:

    As contas nacionais tem uma enorme valia para o entendimento da macroeconomia, porém, acho que seria legal citar alguns problemas na mensuração das contas- uma vez que os dados são utilizados para estudos e indicadores econômico. Como dificuldades técnicas decorrente da chamada economia informal, atividades econômicas não monetizadas e atividade que envolvam externalidades- como poluição, por exemplo-, metodologias de diferentes países, entre outros. Entender esses problemas são fundamentais para compreender melhor as informações que os dados das contas nos transmitem.

  8. Bruna Fontes Says:

    As Contas Nacionais auxiliam, sem dúvidas, no entendimento acerca da economia de um país. Por ela, tomamos nota das origens de possíveis perdas ou ganhos econômicos. Vale salientar, entretanto, que nas contas nacionais os registros são de ordem numérica, não refletindo por vezes o real ganho (ou perda) do bem-estar da sociedade. Com isso, podemos afirmar que nem sempre um menor saldo nas transações correntes, por exemplo, significa uma piora para o país – pode vir acompanhado, posteriormente, de um crescimento econômico, caso o gasto maior tenha se tratado de um investimento.
    Para que não haja interpretações erradas, deve-se salientar também que valores se nominais ou reais devem estar indicados – caso contrário, pode haver uma distorção de informações e consequente conclusões errôneas.
    Apesar de eficientes, as Contas Nacionais não podem vir separadas de uma boa análise econômica

  9. Ana Carolina Rosatelli Andrade Says:

    O Sistema de Contas Nacionais, que tem como base o fluxo circular da renda, é sem dúvida um dos instrumentos mais importantes da macroeconomia, pois nos permite visualizar com clareza as oscilações econômicas de um país ao longo do tempo. Sua estrutura, dividida em setores, proporciona uma visão ampla de todas as transações realizadas, facilitando a análise das atividades de todos os agentes da economia e contribuindo para a transparência do governo. Acho uma pena, entretanto, o fato da parcela da população brasileira que tem interesse em se manter informada a respeito de dados como esse ser relativamente pequena. Além disso, informações sobre as Contas Nacionais deveriam ser mais divulgadas pela mídia.
    Para os interessados, no site do IBGE tem demonstrações do SCN brasileiro com dados atualizados, achei bem interessante: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/pib/defaulttabelas.shtm

    • Felipe Alvarez Rezende Says:

      Ana Carolina , eu concordo com você que o Sistema de Contas Nacionais deveria ter maior nível de difusão para a população por parte da mídia, porém não de forma independente. Tomemos por exemplo um crescimento menor do PIB do que o esperado, será que isso é apenas negativo? Superficialmente, sim. Mas, existem vezes em que o PIB não cresceu o esperado, porém avanços no campo social podem ter compensado ou extrapolado o custo de oportunidade inicial desse “não crescimento”, trazendo enormes melhorias no bem-estar populacional (basta observar o PIB dos países com um maior Índice de Desenvolvimento Humano – IDH). Dessa forma, pode-se dizer que o PIB possuí um grande impacto na qualidade de vida de um país, mas não se pode toma-lo como base nessa mensuração.
      Finalizando, creio que o Sistema de Contas Nacionais e seus resultados devem ser mais difundidos na mídia de forma paralela a analises mais profundas do que esses números representam realmente para o país.

  10. Denise Franco Severo Says:

    Muito interessante ver como os dados econômicos são projetados pelo quadro contábil do SCN. Sem dúvida é um grande auxílio para a análise econômica, para a tomada de decisões e formulação de políticas. Inúmeras informações são apresentadas de um modo que facilita a compreensão das atividades econômicas ocorridas no período e de como os agentes se relacionaram nos mercados.
    Reconheço a importância de termos sidos apresentados a essa estrutura logo no primeiro semestre do curso, pois através dela é possível ter uma noção geral dos acontecimentos macroeconômicos.

  11. Luiz Felipe G Inácio Says:

    Apesar de alguns deslizes históricos, o texto é consistente e apresenta a importância das contas nacionais na análise econômica. Fico somente com uma dúvida: existe alguma relação entre formação bruta de capital fixo e processos inflacionários? Como dito no texto, a formação bruta de capital fixo mede o aumento ou a diminuição da capacidade produtiva de um foco econômico e, sendo assim, provavelmente, possuí relação com o nível geral de preços.

  12. Anderson Ferreira Says:

    Como o próprio grupo disse, o SCN procura “investigar o funcionamento dos componentes da economia de forma agregada, suas relações e a lógica do sistema econômico como um todo.”, representando de uma maneira geral a produção, o rendimento e a despesa dos agentes econômicos dentro de uma economia, incluindo as transações com o resto do mundo e a sua riqueza. O grupo apresentou de forma didática o SCN. Quero acrescentar a atualização que o SCN passou recentemente. A mudança promoveu uma alteração no ano-base da série histórica. Antes, a base considerava o ano 2000, e com a atualização passará ao ano de 2010.
    http://exame.abril.com.br/economia/noticias/ibge-atualizara-sistema-de-contas-nacionais-em-2015
    Faz comparações com a série antiga e a nova série: https://fernandonogueiracosta.wordpress.com/2015/03/11/nova-serie-do-sistema-de-contas-nacionais-do-ibge/

  13. Monyk B A Cardoso Says:

    Senti um pouco a falta de falarem mais sobre os impostos indiretos, estes que por sua vez juntam-se ao produto interno líquido nos custo dos fatores. Estes impostos indiretos estão “dentro” dos preços dos produtos e serviços finais produzidos na economia.Logo, entra a questão: até que ponto o aumento ocasionado pelos impostos indiretos – possuímos altas alíquotas – vai afetar a nossa interpretação sobre o real crescimento da produção. Além dos impostos indiretos, temos a multa dos débitos fiscais indiretos que também entram na conta.

  14. Laura Figueiredo Ribeiro Lima Says:

    Deixo aqui uma informação sobre Keynes e o Sistema de Contas Nacionais:Uma das várias contribuições de Keynes para a economia, foi sua contribuição com o sistema de contas nacionais.A partir do pensamento de Keynes, a história do sistema de contas nacionais tem direção ao moderno sistema de contas nacionais.
    “a necessidade de compreender o impacto do esforço da guerra sobre a renda interna levou Keynes a preparar o primeiro modelo das contas nacionais, expressas pelas equações sobre o produto,renda e dispêndio. Para tanto, Keynes utilizou o método contábil das partidas dobradas para registrar as transações entre os agentes e para identificar as relações existentes entre as contas do sistema ( produção, apropriação, e uso da renda e acumulação).”
    (1994,apud Nunes,1998, p. 42)

  15. Luiz Octávio Vaz Grillo Says:

    Parabéns ao grupo M pelo desenvolvimento do tema, o Sistema de Contas Nacionais tem uma grande importância na Análise da economia agregada ao passo que quantifica e sintetiza as transações realizadas em uma economia num dado intervalo de tempo. Sendo assim um ferramenta fundamental para o estudo da Macroeconomia!

  16. Gian Luca Wickart Says:

    Achei o tema muito interessante. Gostaria de enfatizar a importância de um sistema contábil como esses, levando em consideração o fato de que instituições , gorvernos , empresas ,bancos ,bem como outras entidades econômicas e sociais , privadas e públicas ,precisam de um conjunto de dados como esses para tomar suas decisões .As contas nacionais podem ser utilizadas para vários tipos de análise e de avaliações.

  17. Mateus Zanini Says:

    O interessante do sistema de contas nacionais é o volume de informações que ele fornece e como essas se tornam essenciais ao desenvolvimento de políticas econômicas de um país. Ao analisarem as variações entre os Balanços de Pagamentos de 2 períodos, as autoridades identificam os setores problemáticos e iniciam o replanejamento necessário para que a economia voltar a estabilização.
    Um dos pontos mais interessantes no desenvolvimento dessa ferramenta é a padronização que foi desenvolvida e adotada por todos os países nos últimos anos devido a internacionalização das economias, o que permite que economistas e gestores de outras nações tenham acesso a informações de diferentes países para desenvolver com mais precisão e eficiência as futuras políticas econômicas de sua nação.

  18. Bruno Serpellone Says:

    Recentemente as contas nacionais sofreram alterações em suas medidas por conta de recomendação do Manual Internacional. Uma dessas mudanças é que os gastos com pesquisa e desenvolvimento (P&D), bancos de dados e softwares e gastos com extração mineral passarão a ser contabilizados na Formação Bruta de Capital Fixo das contas nacionais, que entram no consumo. Essas mudanças alteraram os índices de 2000 até 2014 e entraram já na mensuração dos índices de 2015.
    Essa mudança do formação bruta do capital fixo modifica a mensuração dos investimentos, e aumenta a taxa de investimento.
    Além disso, o ano base, que era 2000, passa a ser 2010.

    Fonte http://m.agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2015-03/ibge-muda-conceitos-para-producao-de-dados-das-contas-nacionais
    http://mobile.valor.com.br/brasil/3948718/ibge-com-nova-serie-peso-do-investimento-sobe-nas-contas-nacionais

  19. Samuel Januário Claro de Araújo Says:

    Achei bem interessante o texto, contextualizando contas nacionais, me deu até uma nostalgia de Contabilidade de Social, onde acontece nosso primeiro contato com o tema. Mas uma coisa me chamo atenção na formula, vocês escreveram “–M” como importações, não entendi o sinal negativo em “M”, até onde eu sei “(X-M)” é a variação da exportação com a importação, sendo “X” e “M” valores positivos, referentes a Balança Comercial, onde “X” maior “M” resulta em um superávit comercial, e “M” maior “X” um déficit comercial. Sem contar com a maneira que interpretei algebricamente essa parte de importação e exportação, eu gostei bastante do texto.

  20. Kenneth Xavier Says:

    O sistema de contas nacionais foi criado para suprir uma necessidade dos governos, instituições privadas e outros órgãos, que nao possui um sistema completo que continha muitos dados macroeconômicos de um país. Desde a sua criação até o dia de hoje o sistema de contas nacionais passou por muitas mudanças, com o intuito de melhora-lo. Hoje é um sistema indispensável para todos os países e instituições privadas para que esses possam formular suas políticas através dos dados do sistema de contas nacionais.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: