Mulher – nem melhor, nem pior: diferente

 

Mulheres, homens, guerra dos sexos, desigualdades de gênero, sexo forte, sexo frágil, e afins… Assuntos que nunca me interessaram até certo momento da minha vida. Achava eu, na inocência que se permite à juventude, que não seria o fato de ser mulher ou homem que faria diferença na minha vida profissional, em minha atuação na sociedade – bastaria o mérito, a eficiência, a capacidade para esta ou aquela atividade e pronto! Só dependeria de mim!

 

Claro, essa ilusão não durou muito (talvez tenha durado mais do que deveria)… aos poucos e a duras penas, aprendi que recorrentemente precisaria comprovar muito mais qualificação para alcançar o respeito e o reconhecimento que é quase natural à média dos homens, em termos profissionais e sociais. E aprendi que teria de aceitar salários menores e dificuldades específicas no acesso a cargos mais elevados, à progressão na carreira, por ser mulher. Na academia científica não é diferente: reproduzem-se as discriminações de gênero (não só, infelizmente) que se encontram na sociedade. E isso cansa, exige energia e atenção contínuas.

 

Sem pretensão alguma de discutir o assunto do ponto de vista neurológico, psicológico ou mesmo social, aqui registro apenas minhas impressões. Como mulher, reconheço diferenças de gênero. Minha percepção do mundo é a feminina, minha lógica de apreensão dos fatos e de respostas a eles, minha forma de dialogar, discutir e buscar soluções comuns me parecem diferentes da masculina. Nem melhor, nem pior: diferente, não desigual.

 

Abomino desigualdades de toda sorte. Discriminar é tratar como desigual.

 

Assim, a eleição da primeira mulher para o cargo mais importante da nação lança uma luz no fim do túnel, planta uma semente de esperança para as gerações futuras de brasileiras: “Sim, a mulher pode!”

@–>–>–

 


Publicado em Política. Tags: . 5 Comments »

5 Respostas to “Mulher – nem melhor, nem pior: diferente”

  1. Liv's Says:

    É isso aí! Quem a sabe agora, a discriminação contra a mulher aqui no Brasil seja ao menos atenuada!

    Adorei o post!

  2. lifega Says:

    Não sei não, meninas… Acho importante caminharmos na direção dessa desmistificação de que à mulher algumas coisas não seriam permitidas. Mas temo que haja muitas mulheres mais machistas que os homens.
    E o que faremos com isso?

  3. Fernando Says:

    Viva la revolucion! Viva las mujeres!

  4. Prosa Econômica Says:

    Roseli, ótimo post. Desigualdade de gênero ainda tem muito espaço pra discussão. Com base no seu texto, escrevi um post com dados que acabaram de sair do PNUD:

    http://prosaeconomica.wordpress.com/2010/11/16/sim-a-mulher-pode-ainda-pode-poder-mais/

    Abraço, Adriano.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: