Voando alto demais

 

Outro dia, numa sala de aula, tratava de explicar aos alunos que hoje consideramos haver uma visão comum da macroeconomia, que evoluiu gradualmente a partir da revolução das expectativas racionais na década de 70 do século passado e se consolidou na década de noventa, tanto do ponto de vista teórico, quanto de aplicação prática.

Nesse novo consenso da macroeconomia moderna, podem-se destacar cinco componentes fundamentais:

1) O produto real de longo prazo está associado à produtividade de fatores de produção e tecnologia;

2) Não há tradeoff de longo prazo entre inflação e desemprego – a política monetária é neutra em relação às variáveis reais no longo prazo;

3) Há tradeoff entre inflação e desemprego no curto prazo, com importantes impactos sobre a flutuação econômica em torno da tendência de crescimento do produto;

4) As expectativas de inflação e das decisões de política futuras afetam as decisões dos agentes no presente;

5) A gestão da política monetária por meio de regras é preferível à discricionariamente, ajustando a taxa de juros nominal de curto prazo – o instrumento de política monetária – em reação aos eventos econômicos.

Na oportunidade, iniciamos também uma discussão sobre os impactos da última decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de elevação da taxa de juros sobre o crescimento da economia. Argumentei, à luz dos desenvolvimentos teóricos sintetizados nos cinco pontos anteriores, que o importante para o crescimento econômico sustentável são fundamentalmente fatores que limitam a capacidade de produção da economia, ligados, portanto, à oferta agregada no longo prazo, quais sejam:  crescimento da produtividade do trabalho e do capital por trabalhador e desenvolvimento de novas tecnologias de produção.

E então, apresentei o seguinte gráfico ilustrativo deste raciocínio:

Nele, as retas com inclinações diferentes representam taxas de crescimento real do produto de longo prazo distintas, segundo os fatores apontados acima. Associei a reta mais inclinada (maior crescimento) à China e a menos, ao Brasil, pontuando que a produtividade do trabalho (capital humano) depende fundamentalmente da educação…

Por outro lado, as flutuações de curto prazo em torno da tendência de crescimento refletem principalmente os movimentos de demanda agregada, que o governo tenta minimizar por meio da política econômica.

Este é o assunto de um artigo da “The Economist” desta semana, intitulado “Voando alto demais” (veja repercussão no site da BBC Brasil): “o Brasil não é a China”, e pode entrar em colapso se crescer a mais de 5% ao ano, segundo artigo.

Quando o país cresce a taxas maiores que aquela compatível com suas condições de oferta de longo prazo, há inevitáveis pressões sobre os preços dos bens e serviços (aumentando a inflação), o que leva o governo a implementar políticas restritivas, como a última atuação do Copom na política monetária. É como se estivéssemos numa daquelas cristas das flutuações de curto prazo, com produto bem acima do potencial, e a política monetária trata de fazer a demanda agregada “se comportar”, elevando a taxa básica de juros para conter o consumo das famílias e os parcos investimentos produtivos,  mas… sem que seja o governo que tenha de gastar menos!! Simples, não? 

As implicações das amplas diferenças nas taxas de crescimento reais ao longo do tempo sobre o bem-estar são  enormes e se revelam nas condições de nutrição, saúde, alfabetização, mortalidade infantil, expectativa de vida, etc, de uma população, ultrapassando em muito qualquer possível efeito das flutuações de curto prazo.

Bem, acho que não preciso dizer mais nada.

7 Respostas to “Voando alto demais”

  1. Eduardo Says:

    Profa. Roseli, espero que esse post ilumine as mentes do pessoal que atribui ao BACEN o papel de vilão do crescimento econômico.
    Se o Brasil tem a taxa de juros que tem, isso não é produto de uma vontade dos membros do COPOM, mas de causas estruturais, institucionais e históricas do país. Mas dá um trabalho estudar tudo isso… Melhor mesmo é taxar o BACEN de conservador e pronto, resolvido o problema! (RS…)
    Att,
    Eduardo.

  2. Liv's Says:

    Que droga de governo brasileiro gastador!

  3. Liv's Says:

    “Droga” para não xingar de outra coisa….

  4. Flaco Marques Says:

    O montante deixa de ser importante quando se pergunta a qualidade do gasto público. No caso da vilania do BACEN, não há uma integração clara entre política fiscal e monetária. Apontar culpados para qualquer lado é falta de prudência.

  5. Gustavo Cortes Says:

    Cara Roseli,

    É exatamente isso. Não existe mágica quando se trata de crescimento econômico (para usar suas palavras, que não saíram da minha cabeça: “I’m so sorry!” – rs).

    Taxar os membros do COPOM de ‘neoliberais’ e de inimigos do povo é panfletagem de uma esquerda vulgar.

    Concordo com o Eduardo Arakaki: bastam os cursos de Macroeconomia I e II (i.e., sob a hipótese de que sejam utilizados os livros-texto de reconhecimento internacional) para desmentir a farsa dos ideólogos.

    Grande abraço,
    Gustavo Cortes.

  6. Juliana Says:

    Realmente é fundamental que a população tenha acesso a esse tipo de informação e compreenda, mesmo que de maneira simplifica, o impacto do crescimento ecônomico desacompanhado do desenvolvimento.
    Quem sabe assim, pensariam duas vezes antes avaliarem o desempenho do governo como “ótimo”, ao lerem notícias de jornais que elogiam tanto esse BOOM!

    Sou grata por nos ajudar a dar “pitacos” políticos mais profissionais!

  7. Lucas Says:

    É realmente a falta de educação no Brasil atrasa (ou atrasara) o crescimento econômico do pais.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: